domingo, 31 de julho de 2011

Momentos meus
caíram na Terra
o passado sem volta
eu busco respostas
entregue ao beijo
rompendo desejos
desfigura o que é certo
errado profético
incertos momentos
casos patéticos
de sonhos poéticos.

segunda-feira, 25 de julho de 2011

A cada dia arranco um espinho
A cada dia abre uma flor
Nasce uma rosa
no meu interior!

A pedra encantada

A noite era esccura, sem lua, densa era a floresta. Caminhou entre folhas secas que se desfaziam sob seus pés, seguia a trilha que a levaria até a pedra encantada. Caminhou sem pensar, meditava com a noite... sentia cada microcosmo da natureza pulsar dentro de si, como um oceano infinito de emoções sem controle que necessitam sair... Expressar a beleza da alma era urgente, por dentro um coração aflito, vazio entupido de ilusões, a Dama Noturna continua sua caminhada... Os pensamentos começaram a surgir da mente meditativa, o vazio se expandia, das entranhas sentimentos reprimidos, doídos. Essa Dama sofria, e seu lamento era não saber o porque de tamanha melancolia, não conformava-se em apenas sentir, esforçava-se, porém, não se satisfazia, queria explicação, a+b = ?, só que o que ela não sabia é da sua alma divina, que abriga a  feitiçeira, a maga, a menina, a mulher que sabe sem saber o porque sabe... Ela vai pela trilha, volta ao centro e novamente deixa os pensamentos... um insight... corujas enfileiradas surgem a sua frente, ela passa e a fila começa a acompanhá-la, algo mágico ocorre, nesse instante as corujas e ela são a mesma coisa, elementos da natureza. Ela parou com as dúvidas, ao menos nesse instante de uma única certeza. Mais passos, o destino se aproximava, uma curva em aclíve, mais fôlego e enfim o platô. Árvores majestosas, centenária sabedoria se abria, procurou a pedra encantada, não via, só haviam árvores, grandes, poderosas, se encostou sobre o tronco de uma rainha para descansar, acomodada, relaxada, esqueceu-se da pedra, tamanha era o poder que vivenciava. Ela na árvore, corujas circundando o espaço dela, olhar solto no horizonte e lá bem longe onde nem a vizão alcançava mirou uma pedra, era a pedra encantada.

Quero a canção da lua
embalo bêbado
do teu beijo!

sábado, 23 de julho de 2011

Cura

A fantasia de minha criança
como ferida me nutria
os anos passaram
ao passo que sobrevivi.
Agora enterro a fantasia
pros sonhos e o destino seguir.
Voarei para outros lugares
alcançarei novos olhares
comprometo-me com o amor
que regará minha flor
os espinhos virão e deles
tirarei a lição
no caminho meus guias
serão a luz e a escuridão
vou com eles para sanar meu coração.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Meio mulher meio menina

Seres esquisitos, imperfeitos e estranhos?
Semelhança dos opostos...
que contradição, já dizia Raul:
"Não quero mais andar na contramão"
O ser perfeito olha-se no espelho.
Adivinha quem vê? O ser imperfeito!
No mesmo peito bate um coração com mil vibrações,
ou será mil corações em uma só vibração?
De repente tudo está normal novamente...
Vendaval de pensamentos...
Pensa em casamento
pensa em movimento
pensa em divertimento
pensa em sofrimento
pensa em silêncio...
Fala o que pensa
Faz o que quer
Outra vez não sente
só para depois sentir mais intensamente
Dor/Alegria
Tristesa/Euforia
Paixão/Decepção
Definha e...
Das cinzas resurge
... mais viva
Meio mulher meio menina.

Queria voltar para o seio de minha mãe, como criança que chora. Percebi que estou só, longe de casa... solta no vento dos meus pensamentos. Sentei na janela, olhei através dela, revirei meu passado à procura do que não fui. Achei quem era... voltei para dentro dos meus devaneios e vi que ainda tenho que ser, antes do amanhecer... Sou ferida aberta, que procura na noite o antídoto da dor, transformando o veneno ácido em doce bálsamo. Corro em noites frias, caio num beco sem saída. Gargalhando vou embora. Agora vou, não há mais volta.

A jornada da jovem solitária

Entrando na floresta
tive que deixar
meu medo de fora
senti o vento forte
que por vezes me apavora
fiz a fogueira
junto da anciã
sentada sobre a pedra
ouvi atenta
suas estórias
que me levaram
ao obscuro pântano
úmido refúgio
lamaçal da lótus
sagrado esconderigo da luz
onde deusas noturnas
estavam a minha espera
cheguei quando tinha que chegar
nem cedo nem tarde
a verdade era
que era a minha vez
de estar lá
nua
entregue
pronta pra iniciar
cerrei os olhos
viajei com a sombra
na busca da fonte
da mais pura lama
aonde a noite
me espera
pra me entregar
a lótus que fui buscar.

terça-feira, 19 de julho de 2011

Quem vem de longe

Quem vem de longe
vai conforme o tempo
sentindo por dentro
aquilo que não se sabe de fora
torna suave o veneno
que há na volta.

Quem vem de longe
mora conforme o vento
partindo de dentro
aquilo que se encontra fora
torna sereno o tormento
pensando na volta.

Quem vem de longe
chora conforme o firmamento
saindo de dentro
a procura do que está fora
torna seguro o alento
romanceando a volta.



O Mágico de Oz

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Voa, voa
vai longe
aonde as asas chegam
aonde o pensamento
perde as barreiras
mira o horizonte
passarinho dourado
canta comigo
ao som das águas
que caem na terra
para germinar
o solo que nos sustentará
voa, voa
e leva contigo
a leveza do sonhar
traz na minha janela
o brilho do luar.

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Simplicidade

Nada mais natural
que a vontade de ser
diferente,
ter um brilho especial
que encanta
comove e sente
a flor matinal
também é bela
no escuro da noite
ela é dia
madrugada
frio
calor
perfume de vida
que se espalha no amor!

Uma pitada de flor trago para seu dia antes que anoiteça e o imprevisto de te querer me deixa só antes de mais nada só.