domingo, 31 de março de 2013

o pequeno do dia

Vou deixar os dias
assim como passam os anos
sem permitir a repulsa do que não vem
então caídos ao lado do outro
dos outros que nos pertencem
que pertencemos
como nós de um mesmo tecido
todo emaranhado
traças e poeira
restos de vidas
uma nuvem deixa lágrimas caírem
é chuva!
mas hoje faz sol
que bom que ninguém perturba meu sono
mesmo sozinha continuo até o fim da estrada
alguns foram pra não voltar
saudade vem fazer seu pouso
tristeza de alguns minutos
profundo pesar de instantes
volta e meia de alegria minha amiga
um passo na areia da praia
água de mar na alma banhar
que bom é vida!

sexta-feira, 22 de março de 2013

Outra Eu

Renuncio hoje toda a dor do meu peito
declarei amor e amando eu vou
na alma algumas marcas
de vidas, de outras
importa hoje Ser!
Sozinha no íntimo de mim mesma
escutar o meu próprio alento.
Os poetas me falaram do impossível
revelaram-me que está bem  aqui.
Tenho sono e insonia todos os dias.


terça-feira, 12 de março de 2013

Súbita

Vou te chamar de lado
larga o conta gotas
deixa sua boca pra beijar minha boca
livre venha aqui
nessa manhã
ou agora!
vou embora...

Vou te chamar de canto
olha os meus olhos
vamos brindar o brilho
tanto desconhecido
é um mistério
esse tal de amar
vem, vem cá!

Vou te chamar no sonho
ao acordar é vida!
parei com dramas
um copo d'água
uma flor
partidas, despedidas, chegadas.. súbita!


quinta-feira, 7 de março de 2013

Saudade de uma filha pelo seu pai

Não sei se me lembro ou sinto o luto
passa o tempo, que nem é tanto
você se foi para o eterno
a saudade bate tão forte
não há revolta capaz de te trazer de volta
então me acalmo e aceito...
Tudo por ora é vago
só o hoje me basta e importa
uma pontinha de futuro
me toma inteira
depois solta-me
ao passado
acordo é mais um dia
continuo...
Hoje consegui plantar de amor um sorriso
de tanta dor...

quarta-feira, 6 de março de 2013

O aperto

Alguma relevância entre o vício
e o descuido?
A fome das fronteiras 
das entranhas 
o nó no meio 
um toque leve
desata. 

A falta

Diante de espelhos
imagens de cortes e escolhas
tanto o tempo que passa
e a saudade que não será matada
dói no fundo
na alma
um rasgo profundamente construído
dia após dia
sangra e alimenta.

Uma pitada de flor trago para seu dia antes que anoiteça e o imprevisto de te querer me deixa só antes de mais nada só.