terça-feira, 20 de novembro de 2012

No dia da simplicidade
verei os sorrisos
verei as lágrimas
saírem com naturalidade
também darei de mim
entre choros e gargalhadas
nada mais que flores
ainda que espinhos
pintem de sangue
os vermelhos dos caminhos.

domingo, 18 de novembro de 2012

Vocação

Tantos pontos finais que se fizeram de início
agora noutro pouso
noutro peito
o mesmo vento ainda corta correntes
arranca de vez a sutileza de ser
do Ser...
uma gota salgada de mar entrou pela minha janela
estou mais próxima do mar
mais perto do meu lar
este parece que nunca é aqui
é sempre lá!
talvez eu consiga escrever
algo mais sério depois dos 30
agora ainda é 30
e nada me vem
a não ser a obrigação dos artigos
títulos...
no cambio dos meus dias
alguns passam tão rápido
outros voltam do passado
de volta estão os móveis nos seus lugares
devolvi pros objetos
sua vocação.

domingo, 11 de novembro de 2012

Desmancha de vazio...

Um sorriso veio,
das águas meu sorriso
tive sede
na noite chora água
um traço de poema no ar
vejo atrás da montanha 
olho por ela 
enquanto me encaras, ó sol!
meus olhos coloridos
da alma 
os ventos e pássaros
cataliza de azul
cataliza de azul

Esperava e transpirava
mergulha a cabeça
sossega de água
tantos pontos finitos
preenchem o infinito
respira nas bolhas sereias
desse doce de água
acalma 
pedala
vento na cara

Segue 
sempre um tempo
desmancha de vazio...

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Alguns pingos de sorriso
molham a face seca
fizeram um arco nos lábios
beija meu beijo
sente meu peito acelerar!
ainda fragmentada
descabelada...
dentro do desconhecido
vou voar.

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

O terceiro Ato!

Um novo grito ganhou liberdade
a violência veio libertá-lo
a dor, a fuga, o nojo.
Quando de repente olho a fraqueza que me cerca
uma imundice gratuita, que em algum momento faço parte
mas antes do ato final, do tapa na cara que não é dado
vai vai
vai a raiva, solta no tempo, desde ontem transpondo toda  ilusão
mentiras e traições
planos sutis
densos demais pra mim.

Areia movediça

Quantos cristais caídos nos foram dados de longe do ar? Talvez despidos dos silêncios encarcerados por tempos dentro de outros tempos, dis...