terça-feira, 28 de maio de 2013

Me recordo dos teus olhos
ainda nos meus olhos
da dor de deixar-te
e partir
lembranças que já nem são
parece-me agora um furacão
o passado revirado
revoltado de paixão!

domingo, 26 de maio de 2013

Era uma vez uma menina que de tão ingênua nem sabia da maldade dos nossos dias. Para ela tudo era fantasia! Uma vez e outra alguns monstros a visitavam, a realidade invadia. Repetia alguns ciclos e não entendia o porque de o sol nascer todos dos dias. Resolveu assim sem mais pra quê dissolver a ilusão, pegou um pedaço de céu e pintou nele um botão. Toda vez que tinha medo era só apertar esse botão. Ele ligava dentro dela uma luz que alumiava a escuridão.
Agora o conto do menino que sempre fazia as mesmas coisas todos os dias, acordava e dormia. Ele descia depois subia, nada de novo acontecia. Resolveu subir para baixo e dormiu para acordar. Depois dessa rebeldia nada mais se repetia. No novo mundo dos impossíveis alegria ele sentia. Magia acontecia. Voava pela janela nas noites de lua cheia, uivava para ela, como era feliz e sabia.

quinta-feira, 23 de maio de 2013

entre planos e sonhos objetivos e imprevistossigo o meu caminhoassim sempre, mas sempre, sempre que possível sorrindo sorrindosorrindo.

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Me anima!!!

Olha lá que coisa mais linda
que passa e que rima
virando a esquina!

me anima
me anima
me anima!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!


sábado, 18 de maio de 2013

diversos ões

Obliterações de corações
razões, vozes de orações
paixões, nervos de emoções
prisões, vícios de comunhões

liberta o verso dos caixões!

pega a caneta e rima
sorria e ria
alimente a fantasia

opa! lá fora cabe aqui dentro
mas tá tão apertado

corações de obliterações
orações, vozes de razões
emoções, nervos de paixões
comunhões, vícios de prisões.



Cautela

Uma certa medida de cautela
tomada num só gole
lá vai um vendaval passageiro
mas com tempo desfez todos os planos
começos, mais começos.

segunda-feira, 13 de maio de 2013

o que leva-se da vida?
do instante talvez que vi meus olhos
refletidos nos seus
leve o eterno de ser eu em vocês.


somos no total da diferença
uma tremenda encrenca
que torce, aperta
libera...


muito som do vazio da luz


também uma ponta de silêncio do negro das trevas


uma fada veio e me contou
disse vai ser feliz
sem medir
sem pedir
vai assim


escancara a porta pro mundo!
arranca o concreto do peito


rega a flor de amor
rega a flor de amor
rega a flor de amor


mas se rosa for?

espinhe-se amor!

Vinhos e cigarros

Tem dias que pinto as tardes de azul
fico assim parada, bem de mansinho
sonhando acordada
alguns me lambuzei inteirinha de vermelho
de noites intensas
de lua e pó
até o sol nascer
tanto gira o mundo
quando a cabeça gira
um instante de dúvidas
tenta-me tentação
noutros braços
já encontrei o que perdi de mim
ouvi um eco que diz:
- agora é diferente

vinhos
cigarros.


quarta-feira, 1 de maio de 2013

A roseira

Uma outra aqui mesmo
na mesma
releia um livro
e terás outra história
o mesmo caminho
conquistou outras cores
cheiros, sabores, texturas
outras nervuras...
um momento qualquer
um drink, cigarros
talvez água na veia
água na teia
quebra o gelo
enquanto derrete
na superfície macia
do colo que esquenta
devoradores de corações
também cansam de fazer guerra
um leão
escorpião
dragão
serpente profunda do mar
vai voar
vou de ar
nascentes rompantes da terra
do sucesso a miséria
nada posto a prova que valha a pena
um sorriso bonito
o sorriso do abraço
afago do peito no peito
o coração falando baixinho
no fundo do outro coração
dizem que viram uma senhora plantar uma roseira.

Areia movediça

Quantos cristais caídos nos foram dados de longe do ar? Talvez despidos dos silêncios encarcerados por tempos dentro de outros tempos, dis...