sexta-feira, 29 de abril de 2011

Quando acordou
percebeu que o sonho continuava!
Era ela a dona das rédeas do seu destino
Ninguém a deteria, pois no sonho...
... no sonho, no sonho
apenas seu segredo,
mas segredo não se compartilha?
ela é diferente, dizem
ou
é ela quem diz
enfim
segredo.




quinta-feira, 28 de abril de 2011

Poetisa

A poetisa mirou seu olhar ao além,
tão longe fora seus olhos
que o que vira só poderia ser descrito
como num poema...

...ela chama por Morfeu, e lá quietamente,
complacente só recebeu,
porém, ela não se ateve aos remansos oníricos
seduziu-se
e junto com Hades se atreve a bailar.
Ela dançou no escuro!
se exauriu, seu corpo vibrava, seu ser pulsava,
o êxtase...

Atenta a si, a poetisa voltou.
Sem saber qual poesia recitar
leve angústia,
e enfim
uma luz!

 Apolo lhe sopra aos ouvidos:
"conheça-te a ti mesmo"
 com ternura sussurra Afrodite:
"ame"
 intrépito chega Dionísio, com sua jarra
e se exalta ao falar:
"jamais se esqueça que aqui dentro tem vida! então beba-a."

Silenciosamente a poetisa se pôs a caminhar...

Uma chuva fina escorre pela janela da sala, olho por entre as gotas, atravesso o véu de vidro e ao infinito percebo pásssaros, eles voam em círculo, a chuva não os molha o círculo os proteje...

Mãe Terra

Pra Cassi

Da Terra à Vida...
Assim a fecunda Mãe Terra cheia de dádivas se multiplica.
Quando fragmentada se faz frágil, temerosa de sua sorte...
Ora tu és vida!
Alicerce para loucas ventanias
Chamas em brasa ao teu colo encontram alento
Onde as águas ao repousarem sobre seu seio
Serão mares, serão rios...
Ao final serão Vida.


quarta-feira, 27 de abril de 2011

O coração pulsa, quase que num descompasso
tal a ânsia do inesperado, voo!
Garganta seca, álcool na veia...
A emoção me domina, instinto eu existo
na inconstância do erro
que me oprime me exalta me deprime...
Busca insensante por ser feliz
até me canso, mas quando danço...
Ah! eu danço!
Me sinto fraca, onde estás tu ó força que me guia?
Quem faz as escolhas?
A noite fria tem me sugado
percebo que sou frágil, fêmea
onça, leoa, gata, cachorra
o cio! fome de aventura
desejo de perigo, grito
delírio, alta vibração
o coração se acalma...



 
Quando anoitece eu e a lua brindamos a paixão

No amanhecer eu e o sol brindamos o amor

O mar quando me beija celebra o infinito poder da terra

Estou envolta pela natureza, refém dos astros e estrelas...

Da Verdade

Em dias de chuva percebo a frieza que nos cerca,
vejo no fundo dos olhos de outrem a alma espantada
sinto a finitude de tudo que vivi e o infinito que ainda estar por vir.
Ventos varrem o passado e tocam no fundo... com o assobio dos novos tempos.

Tristes manhãs chuvosas...
Introspecção do ser dentro de si mesmo
procuro respostas em dias de sol
analiso as perguntas que a razão desconhece: DÚVIDA.

A chuva leva o que não presta
e deixa uma sombra de nostalgia no que fica
quereres passados já não cabem mais
mas a teimosia de procurar a perfeição instiga e excita!

A chuva cai sobre nós
não faz distinção de credo ou cor
somos todos iguais com estórias vãs, fantasiosas, profundas, superficiais, sinceras e mentirosas.
Não somos perfeitos em essência, nem puros nem santos.

Somos huamnos que não entendem a intnsidade da chuva nem do sol.


Sou uma louca, sonhadora
Sou poeta, sou atriz
Sou guerreira, feitiçeira...

E quem sou?
Sou tristeza e alegria
Sofro e sou feliz
Batalho e me divirto
Sou chata e ainda
Canto...
Me derramo em pranto!
Caio!
Me levanto.
Ah! eu VENÇO!!!
E danço...

Areia movediça

Quantos cristais caídos nos foram dados de longe do ar? Talvez despidos dos silêncios encarcerados por tempos dentro de outros tempos, dis...